Categorias
Arquitetura Curiosidades Decoração Engenharia Civil Entretenimento

ANA RITA, MARI OGLOUYAN E THAISA CAMARGO EM: MULHERES NA ARQUITETURA

Para celebrar o Dia Internacional da Mulher a Prime Gattai convidou três arquitetas renomadas que vão contar um pouco mais sobre as suas histórias e os desafios enfrentados em suas carreiras como mulheres. Elaboramos uma entrevista com seis perguntas e começamos por:

ANA RITA
@ARARQUITETURA

Imagem: Reprodução/Divulgação

Antes de mais nada, nos conte um pouco sobre você, sobre a sua carreira…

“Embora trabalhe com arquitetura e design de interiores desde 1995, me formei pela Universidade Mackenzie, em São Paulo, no ano de 1999. Assim que me formei fui para a Alemanha trabalhar por um ano no escritório Ingenhoven Architects e em 2.000 me mudei para Lisboa, em Portugal, onde trabalhei com arquitetura no escritório NLA Arquitectos por 3 anos. Em 2003 retornei ao Brasil e logo abri o AR Arquitetura&Design, em parceria com a minha sócia – formada em ADM, Ana Maria Ramires. Desde então seguimos trabalhando com projetos de arquitetura e design de interiores nas mais diversas áreas: residenciais, comerciais, corporativos e hotelaria.”

Imagem: Reprodução/Divulgação

PRIME GATTAI: Hoje em dia, você acredita que a realidade da profissão está alinhada com suas expectativas de quando era estudante?
Ana: “Para falar a verdade, é bem diferente… Na realidade, meu objetivo como estudante era trabalhar em um grande escritório de arquitetura, tal como fiz na Europa. Mas quando cheguei ao Brasil nossa realidade é bem diferente e comecei a carreira solo, mais focada em interiores e hoje é o forte do nosso escritório. Confesso que na Europa e nos EUA nossa profissão é bem mais respeitada e valorizada, isso é um pouco decepcionante para mim, pois o Brasil é um país de muito recurso, muitas oportunidades e mentes criativas brilhantes.”

PRIME GATTAI: Como você define a sua “assinatura” nos projetos? Qual característica dos projetos tornou-se a sua marca registrada?
Ana: “Na verdade, o que se tornou a minha marca registrada é não ter um estilo muito definido e marcado! O meu forte é criar projetos altamente customizados e produzi-los com estilos diferentes refletindo a personalidade de meus clientes.”

Imagem: Reprodução/Divulgação
Imagem: Reprodução/Divulgação

PRIME GATTAI: Você acredita que, atualmente, a arquitetura está mais acessível? Qual sua opinião sobre Do It Yourself?
Ana: “Não acredito que esteja mais acessível e sim com mais oferta de profissionais, por vezes não qualificados, tornando-o desvalorizado. Sou adepta sim se você não possui recursos para contratar profissionais qualificados, mas sempre com muita pesquisa e embasamento em toda a informação hoje disponível nas mídias. A Arquitetura é uma ciência exata, embora muitos a tratem como uma disciplina artística… Não é! A responsabilidade é extrema e, por vezes, pode afetar muito a vida das pessoas. Se você possui recursos, o profissional certamente lhe trará um resultado mais satisfatório e, sem sombra de dúvidas, mais otimizado, tanto financeiramente, quanto em termos de tempo. É importante que as pessoas entendam que o que se paga será revertido em resultado.”

PRIME GATTAI: Como você concilia os projetos com as redes sociais? Todos seus projetos acabam se tornando posts nas redes sociais?
Ana: “Hoje elas são grande fonte de captação de cliente e um portfolio extenso e atualizado… São muito importantes e por isso precisam ser alimentadas diariamente. Basicamente, alimentamos as mídias com os processos de todas as obras, mas infelizmente nem todas conseguimos fotografar profissionalmente depois de prontas por questões de logística. E isso é um pênalti, pois obra não fotografada é quase que uma obra que não fizemos, já que não temos como divulgá-la adequadamente.”

Imagem: Reprodução/Divulgação

PRIME GATTAI: Quais os desafios que você, como mulher, enfrentou na arquitetura?
Ana: “Iniciei minha carreira profissional aos 23 anos como mulher (basicamente menina, recém formada, rsrs) e como estrangeira em grandes escritórios de arquitetura. Foi um enorme desafio, pois tinha que provar minha capacidade e seriedade diariamente. Me lembro que na primeira semana de trabalho na Alemanha, sem saber quase falar alemão, voltava para casa e chorava noites a fio. Mas desistir nunca foi uma opção e dizia a mim mesma que iria conseguir me impor. E assim foi…Quando deixei o escritório para ir trabalhar em Portugal, eles me entregaram uma carta maravilhosa de recomendação que guardo até hoje com muito orgulho. Passei por tudo de novo em Portugal, e 6 anos após de escritório aberto aqui no Brasil, meu ex-chefe de Portugal viajou até aqui para me convidar para uma parceria em grandes projetos hoteleiros entre os nossos escritórios. Por isso não tenho qualquer rancor das dificuldades e preconceitos que sofri… Pelo contrário, me tornaram mais forte e me deram embasamento para ser quem sou hoje!”

PRIME GATTAI: E, para finalizar, você pode dar uma dica de inspiração para as mulheres que estão entrando agora na profissão?
Ana: “Nunca foque nos seus pontos fracos e sim nos pontos fortes que tem a oferecer! Não desista jamais e procure estar sempre o mais informada e atualizada possível, para que possa se impor com propriedade. Não importa se é mulher ou não, não importa sua etnia, ou sua religião… O que importa no mercado profissional é ter conhecimento, comprometimento, garra e muita ética! O resto é apenas detalhe.”

Conheça melhor o trabalho da Ana Rita clicando aqui.


MARI OGLOUYAN
@MARI.OGLOUYAN

Imagem: Reprodução/Divulgação

Provavelmente você esteja se perguntando “de onde vem esse sobrenome?”, então antes de mais nada nós vamos te explicar. Em geral, sobrenomes terminados em “ian” ou “yan” significam “filho de“, foi um sufixo adotado na época da diáspora armênia, movimento que aconteceu devido ao genocídio armênio, ocorrido em 1915. Sendo uma forma de conseguir encontrar e reconhecer outros armênios pelo mundo.

Bom, agora vamos as perguntas, mas antes nos conte um pouco sobre você, sobre a sua carreira…

“Eu sou formada há mais 30 anos em arquitetura, atualmente sou sócia do Rubens no escritório Oglouyan Associados e Arquitetura e a gente trabalha com todo o tipo de projeto. Residencial, comercial, corporativo… Já fizemos igrejas, hotéis, muitos hospitais, mas o foco ultimamente tem sido projetos de interiores/residenciais.”

Imagem: Reprodução/Divulgação
Imagem: Reprodução/Divulgação

Aliás, essa última foto nos parece familiar… Claro, esse é um projeto em que a Prime Gattai fez em parceria com a Mari. Uma escada metálica espinha de peixe com corrimão e fechamento em vidro. Somos suspeitos, mas é uma obra fantástica.

A entrevista foi respondida de forma diferente e bem especial. A Mari enviou um vídeo respondendo todas as perguntas e nós simplesmente amamos o resultado. Confira abaixo:


Vídeo: Reprodução/Divulgação – Vídeo enviado pela Mari Oglouyan

Conheça melhor o trabalho da Mari Oglouyan clicando aqui.


THAISA CAMARGO @THAISACAMARGO.ARQUITETURA

Formada no ano de 2000 pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, Thaisa desenvolve desde então, projetos residenciais, comerciais e de design de interiores. O escritório Thaisa Camargo Arquitetura e Interiores está localizado no bairro de Vila Madalena, na capital paulista, e vem sendo cada vez mais reconhecido pelo destaque de seus projetos em mídias especializadas.

Imagem: Reprodução/Divulgação

PRIME GATTAI: Hoje em dia, você acredita que a realidade da profissão está alinhada com suas expectativas de quando era estudante?
Thaisa: “Eu sempre soube que o design de interiores era o que mais me encantava no mundo da arquitetura, mas quando me formei era ainda um mercado novo, já tínhamos grandes nomes dominando este mercado, que tinha muito a ser explorado. Eu trabalhei 8 anos em uma empresa que prestava serviço para grandes arquitetos, então foram anos que me trouxeram contato com altos projetos e me ajudaram a saber lidar com clientes, entender as expectativas. Aprendi muito a criar e me inspirei muito nestes trabalhos que chegavam a mim… Foi quando, em 2008, criei meu próprio escritório, pois já tinha uma experiência bacana por ter vivido neste universo da decoração, também com a experiência do contato comercial, além de entender e conciliar as expectativas dos clientes, negociar, saber interagir com tantos fornecedores que precisamos lidar no processo de execução dos projetos que criamos.”

PRIME GATTAI: Como você define a sua “assinatura” nos projetos? Qual característica dos projetos tornou-se a sua marca registrada?
Thaisa: “Trabalhamos muito na marcenaria decorativa, pois acredito que personifica o projeto. Em nossas obras vemos muitos painéis, paredes trabalhadas, sejam em madeira, pedras, porcelanatos, materiais mais naturais que carregam mais personalidade da essência de quem vai morar ali! Mas quanto ao estilo, na íntegra, acredito em um rústico mais chic, são projetos mais descontraídos, informais, sofisticados com uso de acabamentos mais orgânicos.”

Imagem: Reprodução/Divulgação
Imagem: Reprodução/Divulgação

PRIME GATTAI: Você acredita que, atualmente, a arquitetura está mais acessível? Qual sua opinião sobre Do It Yourself?
Thaisa: “Eu acredito que a arquitetura esta sim mais acessível! Principalmente com o crescimento do mercado de e-commerce. As informações de Pinterest, Instagram, Facebook ajudam as pessoas formalizarem os espaços em mente. Isso é um movimento que vai crescer muito, sendo que cada vez mas imagens em 3d serão facilmente acessadas e locados no ambiente que a pessoa pretende decorar. Mas, ainda assim, existe uma dependência de um profissional para ajuda no estudos de layout, medidas adequadas de mobiliário e outros pontos importantes para um espaço bonito mas coerente.”

PRIME GATTAI: Como você concilia os projetos com as redes sociais? Todos seus projetos acabam se tornando posts nas redes sociais?
Thaisa: “Os projetos postados nas redes sociais são todos de nossa autoria. Quando finalizado e ambientado, tiramos fotos profissionais para postagem e divulgação do nosso trabalho.”

Imagem: Reprodução/Divulgação

PRIME GATTAI: Quais os desafios que você, como mulher, enfrentou na arquitetura?
Thaisa: “A área de arquitetura de interiores cresceu, acho que resolvida com esta questão, grandes nomes da arquitetura vieram, aí independente do sexo! Mas nos momentos de acompanhamento de obras e na liderança de todos os envolvidos, o fato de uma mulher estar ali orquestrando a turma toda, pode ter sido algo comentado rs. Mas acredito que eu soube lidar com isso, pois sempre houve respeito de ambos os lados!”

Imagem: Reprodução/Divulgação

PRIME GATTAI: E, para finalizar, você pode dar uma dica de inspiração para as mulheres que estão entrando agora na profissão?
Thaisa: “O grande conselho é que seguir a carreira como arquiteta de interiores não é fácil! Para quem esta começando leve muito a sério, a frase eu amo minha profissão tem que estar dentro de você, de uma forma muito natural, todos os dias na essência! São desafios, aprendizados e muita paciência, para a cada dia ir se tornando um arquiteto completo. Não será do dia para a noite, não será em um ano ou dois. Não temos noção do que vamos aprender na prática depois que colocamos o diploma embaixo dos braços e começamos a jornada! Mas vale muito a pena para quem tem, de fato, paixão pela arquitetura!”

Conheça melhor o trabalho da Thaisa Camargo clicando aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.